São Sebastião do Caí (RS) registra a 3ª maior cheia da história em seis meses

Terça-feira, 14 de maio de 2024

São Sebastião do Caí (RS) registra a 3ª maior cheia da história em seis meses

O nível do Rio Caí voltou a subir e chegou a 15,8 m na segunda-feira (13/5), conforme indica monitoramento do Serviço Geológico do Brasil (SGB)

Foto: Prefeitura de São Sebastião do Caí
Porto Alegre (RS) - Em seis meses, São Sebastião do Caí (RS) enfrentou as três maiores cheias da história. Na segunda-feira (13), após fortes chuvas, o rio atingiu o pico de 15,8 m, conforme indica monitoramento do Serviço Geológico do Brasil (SGB). Essa marca está mais de cinco metros acima da cota de inundação do município (10,5 m).

O episódio ocorreu dias depois de a cidade ter registrado o nível recorde de 17,6 m, em 2 de maio. A segunda máxima histórica ocorreu em novembro de 2023. Na ocasião, o Rio Caí chegou a 16,08 m. “Esse é um padrão inédito no monitoramento da região. Em um período inferior a um ano, ocorreram os três maiores eventos hidrológicos já registrados na Bacia do Rio Caí e que provocaram impactos devastadores na região”, explica o pesquisador do SGB Emanuel Duarte, engenheiro hidrólogo.

O pesquisador complementa: “Antes de 2023, o maior nível havia sido registrado em 2007 (14,70 m). Foram 77 anos para o rio ultrapassar os 15 m em São Sebastião do Caí e após isso o evento já se repetiu ao menos duas vezes em um intervalo inferior a um ano”.

Após atingir o pico, o Rio Caí começou a baixar em São Sebastião do Caí e a previsão é diminuir nos próximos dias. As projeções são apresentadas no último boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da Bacia do Rio Caí.


Níveis elevados em Montenegro

O Rio Caí também está em processo de declínio e registra níveis elevados no município de Montenegro, acima da cota de inundação (6 m). Na segunda-feira (13/5), a cota chegou a 8,7 m. No dia 2 de maio, o rio ultrapassou 9,5 m – o valor exato ainda será validado em campo. Essa é a maior marca da história de Montenegro, superando o recorde de 9,2 m em 1941 e a cota de 9,01 m em novembro de 2023.

Imagem de satélite: © ABAE (2024)
© (2024) DigitalGlobe, Inc., Longmont CO USA 80503 >>Acompanhe aqui o monitoramento, em tempo real, da Bacia do Rio Caí

Confira outros produtos que apoiam a prevenção de desastres na região:

>>Sistema de Alerta Hidrológico;

>>Manchas de Inundação;

>>Mapeamento de áreas de risco;

>>Análise de Frequência de Cotas e Vazões dos Sistemas de Alerta Hidrológico Operados pelo SGB;

>>Chuvas Intensas e Equações IDF;

>>Ciclone Extratropical do RS em Junho de 2023;


Leia mais notícias do Serviço Geológico do Brasil:

>>Chuvas elevam novamente os níveis dos rios e aumentam riscos de deslizamentos no Rio Grande do Sul

>>Plataforma de colaboração global apoia com imagens de satélites ações no Rio Grande do Sul

>>Estudo apoiará ações de enfrentamento e resposta a desastres em Porto Alegre (RS)

Núcleo de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil
Ministério de Minas e Energia
Governo Federal
imprensa@sgb.gov.br
  • Imprimir